País Política

O cheque em branco do Conselho de Estado

No dia 23 de Maio de 2013 esteve reunido o Conselho de Estado (CE) convocado pelo Exmo. Senhor Presidente da República M. Pinto da Costa, que visava analisar as condições para a realização das eleições autárquicas locais e regionais.

O CE é um órgão constitucional consultivo que condiciona e até limita os poderes do PR, ou seja, a constituição assim impõe que exista este órgão e para a resolução de certos conflitos ele terá que dar o seu parecer positivo, caso contrário o acto praticado será considerado juridicamente inexistente (ver artigo 103/1 Constituição República Democrática de São Tomé e Príncipe). É também um órgão auto regimental (art. 90/2-a) CRDSTP).

Mas o que deixou um pouco incrédulo é ver este órgão que nesta tempestade toda decide não demarcar-se para fazer diferente, aceita participar num acto que na nossa opinião é político e moralmente desonesto com o Povo santomense, pondo em causa a própria Democracia.

Não há nenhum órgão de soberania que se sobrepõe as leis da República.

O que se impunha à CE, é que fizesse uma leitura politico-constitucional da nossa realidade, posicionassem de forma isenta do que aquela que teve; deveria ser um verdadeiro ancião da sociedade, mas não; comportou-se com profunda imaturidade.

Teve a coragem de passar um cheque em branco ao PR e a Comissão Eleitoral, legitima o que a lei quis evitar, porque todos os órgãos devem concorrer para a solidificação da nossa jovem democracia. Ao optar por um conceito indeterminado, a criação «urgente das condições» indispensáveis à realização das eleições autárquicas e regional credíveis, transparentes e pacíficas para todos, eleitores, eleitos, e a população em geral. Assume para si todos os riscos e prejuízos do negócio, dando ao seu parceiro todos os lucros, ou seja, um verdadeiro negócio leonino, deixando o País refém da vontade do Soberano.

Esperávamos que numa conversa a sério com o Primeiro-ministro e o presidente da comissão eleitoral, encontrassem em conjunto um prazo objetivo concreto. Porque estavam reunidas todas as condições para se decidir da melhor forma, pois basta olharmos para o elenco dos presentes na reunião. Mas estranhamente não foi isso que aconteceu, para o mal da nossa jovem nação.

 

Lucas Lima

 

Notícias que lhe podem interessar

Sobre nova Lei Eleitoral (LE), por Lucas Lima

Brany Lisboa

Instituto Politécnico de Leiria apoia educação em São Tomé e Príncipe

Brany Lisboa

Chefes de Estado e de Governo africanos reunidos em Adis Abeba

Brany Lisboa

ADI reintroduz nova moção de censura contra o governo de Gabriel Costa

Brany Lisboa

Comentários

* Ao submeter os seus dados, concorda com os termos definidos na Política de Privacidade

Usamos "cookies" para melhorar a nossa oferta. Mais informações na nossa política de privacidade. OK Mais informações