Mundo Política

Guiné Equatorial já é membro de pleno direito da CPLP

O país terá que abolir a pena de morte e promover o uso do português como língua oficial. Teodoro Obiang terá que fazer um balanço do que já foi feito para cumprir as condições da adesão à CPLP

A Guiné Equatorial foi hoje aceite por consenso como membro de pleno direito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), sem que tenha havido uma votação, disseram fontes das delegações de Portugal e do Brasil.
Fonte da delegação portuguesa disse aos jornalistas portugueses que “houve um consenso generalizado” favorável à entrada da Guiné Equatorial, mas também um “debate intenso”, suscitado por Portugal, na sequência do qual ficou combinado que o Presidente deste novo membro da CPLP, Teodoro Obiang, deve explicar os passos já dados e previstos para cumprir as condições de adesão.

Por sua vez, fonte da delegação brasileira, questionada pela Lusa, afirmou que os Estados-membros da CPLP “decidiram incorporar” a Guiné Equatorial, não tendo havido uma votação, mas “uma formação de uma opinião geral”, que envolveu um debate: “As pessoas discutem, colocam os seus problemas, as suas visões”.
Esta decisão foi tomada na sessão restrita da X Cimeira da CPLP, que decorre em Díli, Timor-Leste, na qual a Guiné Equatorial não participou.

Durante esta sessão, segundo a referida fonte da delegação portuguesa, o Presidente da República de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, vincou os princípios fundadores desta comunidade de países – que incluem o respeito pelos direitos humanos e o uso do português como língua oficial – e invocou o roteiro estabelecido para a adesão da Guiné Equatorial.

De acordo com esta fonte, o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, falou depois, reforçando o sentido da intervenção de Cavaco Silva, e é agora esperado que Teodoro Obiang exponha de que forma está a cumprir as condições de adesão e que apoio necessita da parte da CPLP para cumprir tudo o que esta comunidade espera da Guiné Equatorial.

O roteiro estabelecido pela CPLP para a adesão da Guiné Equatorial incluía o fim da pena de morte e medidas destinadas a promover o uso do português, num país onde a língua mais falada é o castelhano.

Expresso.sapo.pt

 

Notícias que lhe podem interessar

Governo quer ajuda da concertação social para efetivar 40 horas semanais na função pública

Brany Lisboa

Organização para a Proibição das Armas Químicas vence Nobel da Paz de 2013

Brany Lisboa

PR convoca reunião de cúpula 

Brany Lisboa

Entornado o caldo da “bagatela” da corrupção em São Tomé e Príncipe

Brany Lisboa

Comentários

* Ao submeter os seus dados, concorda com os termos definidos na Política de Privacidade

Usamos "cookies" para melhorar a nossa oferta. Mais informações na nossa política de privacidade. OK Mais informações